Google+ Badge

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

VÍDEOS COM PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS.

INSTITUTO RIO

PRÊMIO GERALDO JORDÃO PEREIRA
TRILHA VALERIA E YTA - CANTO A  CAPELA





PREMIADOS





TRAMAS DO PORTO
PROJETO DA SILVANIA COM ASA MULHERES BORDADEIRAS DO CAIS DO PORTA DA PRAÇA MAUÁ
LANÇAMENTO DA TRILHA SONORA - VALÉRIA BARBOSA
CANTORAS LÍDIA QUADROS E LIZZA DIAS.



TRILHA MULHERES DO PORTO
TRILHA - TRAMAS DO PORTO VALÉRIA BARBOSA
CANTA A CAPELA VALÉRIA BARBOSA



FILME ALÉM DO MAR AZUL SANDRA LIMA
PARTICIPAÇÃO NA ÚLTIMA IMAGEM COM UM POEMA.





SANDRA LIMA - CONHECENDO VALÉRIA BARBOSA




EM BREVE FILME LUGAR DE MULHER.


MEMÓRIAS E REPORTAGENS.






http://www.suplementopernambuco.com.br/edi%C3%A7%C3%B5es-anteriores/77-capa/1894-aqueles-que-seguram-a-pr%C3%B3pria-hist%C3%B3ria-nas-m%C3%A3os.html


ENTREVISTA FEITA PELO COMUNICADOR COMUNITÁRIO HELCIMAR LOPES


ENTREVISTA FEITAS POR VALÉRIA BARBOSA
PROFESSOR ADAIR ROCHA.






COM GIZELE MARTINS.




GRAVAÇÃO DO SEMINÁRIO











https://medium.com/@eri6ck/narrativas-flupp-pensa-2016-resenha-6ba3da7857a8


ENTREVISTA QUE FIZ PARA A WEB RÁDIO CDD E QUE TEVE REPERCUSSÃO NO EXTERIOR.



domingo, 9 de abril de 2017

CDD VIVE 1. PROJETO AÇÕES LOCAIS - PATROCINADO PELA SECRETARIA DE CULTURA - RJ .

O PROJETO CDD VIVE ACONTECEU ENTRE OS MESES DE JULHO/2016 A JULHO DE 2017.
TIVEMOS MOMENTOS IMPORTANTES.
UM TRABALHO COLETIVO

1o. RELATÓRIO PARCIAL

Porém a maior dificuldade foi com a violência do local, o que atrasou a execução das oficinas do Jornal, nos tínhamos nos programado para que as 5 oficinas acontecessem ainda em 2016 e só conseguimos executar a de fotografia. Tivemos no total  32 inscritos, porém apenas 12 pessoas conseguiram permanecer mesmo sofrendo pressão e medo pelos constantes tiroteios na comunidade.

Dia 15 de outubro para nós foi um dia muito triste, marcamos a nossa oficina de Comunicação Comunitária e a de Elaboração Textual para este dia, seria o primeiro de 4 dias integrais para este evento, quando fomos surpreendidos por um intenso tiroteio.
Eu, Valeria Barbosa, estava em frente da quadra de samba esperando a professora de Português, e a Cilene Regina Vieira da Cruz, fundadora e colaboradora do Jornal, estava preparando A verba do prêmio foi destinada e está sendo executada para movimentar o Jornal: impressão do Jornal, compra de materiais pedagógicos para as oficinas, pagamento de coordenação,  de oficineiro, monitores,  alimentação para o grupo, material de divulgação, material de limpeza, , taxas de Energia nos espaços utilizados e demais serviços,  transportes de  pessoal (eventos, reuniões e dos jornais e compras), pagamento das taxas bancárias.

Tivemos duas grandes dificuldades, a primeira com  o aumento do valor de impressão do Jornal, o que nos levou a pedir readequação da verba.

para levar o lanche para a Asvi da Travessa Mesopotâmio, 32.
Ao ouvir os tiros, me escondi na quadra de samba e de lá liguei para o Zapp do grupo de alunos pedindo para ninguém ir para aula, a seguir para os professores.
Cilene me ligou perguntando onde eu estava. Tranquilizei-a e disse que já havia cancelado as Oficinas.

Passaram-se uns 30 minutos  e quando tudo acalmou fui até a sua residência, ela não estava, tinha ido para a ASVI. Sai correndo e fui atrás dela. Ao chegar na Asvi, encontrei-a paralisada ainda do lado de fora com a chave no portão, com suas pernas travadas. Levei-a para dentro da Instituição e de lá acionei sua família com um carro. Fomos para a UPA da Cidade de Deus. Foram feito os procedimentos médicos e exames de eletro e RX e constatou que ela estava com o coração grande e crise de ansiedade.

Ao sairmos, ela ainda andando com dificuldade, fomos atravessar a rua e vinha um comboio do BOPE, quando ela avistou travou igual. Tivemos ajuda do pessoal da praça para coloca-la em um carro e a levamos para a UPA da Barra, lá teve o mesmo diagnóstico e tornou a ser medicada.
Na madrugada do dia 16 ela veio a falecer com INFARTO Agudo.

A Oficina de Comunicação Comunitária seria ministrada pela Cilene que estava radiante de ser pela primeira vez protagonista e receber para tal, talvez por isto tenha encarado os tiros na esperança de realiza-la.

Esta lacuna é insubstituível quanto valor para o nosso jornal, porém precisamos continuar. Convidamos para fazer esta oficina a Jornalista Gizele Martins e já no seu primeiro dia, outro intenso tiroteio fez com que adiássemos mais uma vez.

Conseguimos terminar a Oficina de fotografia com quase dois meses, tivemos que pensar numa forma de proteger o grupo, motivo do pedido de readequação, para podermos comprar camisas, já que o nosso trabalho exige andarmos pela comunidade e muita das vezes com máquinas fotográficas registrando os eventos.

Decidimos que devido aos constantes riscos que as OFICINAS, seriam transferidas para o ano de 2017, a partir de fevereiro.

Estamos tendo mais tempo de trabalhar a dor da perda da nossa amiga, comprar o material necessário para a execução das Oficinas e construir a 13  Edição que estará pronta no final de dezembro de 2016.


Nossa primeira tiragem do Jornal com 4.000 exemplares.


RELATÓRIO FINAL.

A verba do prêmio foi destinada e executada para movimentar e desenvolver os processos criativos  do Jornal: impressão do Jornal, compra de materiais pedagógicos para as oficinas, pagamento de coordenação,  de oficineiro, monitores,  alimentação para o grupo, material de divulgação, material de limpeza, , taxas de Energia nos espaços utilizados e demais serviços,  transportes de  pessoal (eventos, reuniões e dos jornais e compras), pagamento das taxas bancárias.

Tivemos duas grandes dificuldades, a primeira com  o aumento do valor de impressão do Jornal, o que nos levou a pedir readequação da verba.

Porém a maior dificuldade foi com a violência do local, o que atrasou a execução das oficinas do Jornal, nos tínhamos nos programado para que as 5 oficinas acontecessem ainda em 2016 e só conseguimos executar a de fotografia neste ano. Tivemos no total  32 inscritos, porém apenas 20 pessoas conseguiram permanecer mesmo sofrendo pressão e medo pelos constantes tiroteios na comunidade.


A Oficina de Comunicação Comunitária seria ministrada pela Cilene Regina Vieira da Cruz, falecida no dia 17 de outubro devido o estresse com a violência. No dia da sua aula da Oficina de Comunicação comunitária,  estava radiante de ser pela primeira vez protagonista e receber para tal, talvez por isto tenha encarado os tiros na esperança de realiza-la. Vindo a enfartar no dia posterior ao cancelamento da Oficina devido ao intenso  tiroteio e ao estresses que a levou a um infarto agudo.

Esta lacuna é insubstituível quanto valor para o nosso jornal, porém precisávamos continuar. Convidamos para fazer esta oficina a Jornalista Gizele Martins e já no seu primeiro dia, outro intenso tiroteio fez com que adiássemos mais uma vez, e assim ocorreu em outros momentos, mas conseguimos realizar o nosso compromisso com o Jornal e com a utilização projetada em nosso Projeto que nos levou a ganhar o Prêmio.

Pedimos a readequação da Rubrica destinada ao pagamento do BUFFET no valor de R$ 2.000,00, por entender frente aos constantes cancelamentos que seria um investimento de risco, já que temos vivido dias de incursões policiais e constantes tiroteios. poderíamos ser surpreendidos e contratando uma equipe de Buffet perderíamos os alimentos e não teríamos como armazenar para uma próxima disponibilidade na agenda do local.

Desta forma pensamos no quadro que estávamos  vivenciando e no fluxo de pessoas que conseguiriam participar de nossas oficinas e decidimos pensar num Seminário que atendesse a uma situação real. Esta foi a nossa melhor decisão a qual agradecemos a SMC por aprovar.  Conseguimos otimizar este recurso e contratar o serviço de três Oficineiros,  ir para as escolas com o objetivo de favorecer novos leitores para o Jornal e outras fontes de leitura. E deu muito certo está ação.

Descobrimos um potencial, o de trabalhar com grandes grupos. 

ALGUNS MOMENTOS: 

OFICINA DE FOTOGRAFIA COM MÁRCIO JOSÉ.



AULA DE XILOGRAVURA COM THAÍS LINHARES.






AULA DE COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA - GIZELE MARTINS.







OFICINA DE COMUNICAÇÃO COMUNITÁRIA COM  CHRISTINE KELLER.


OFICINA DE CHARGES E DESENHOS NAS ESCOLAS POR ROSALINA DE BRITO E THAÍS LINHARES.



OFICINA DE CORDEL NAS ESCOLAS - SEVERINO HONORATO.










OFICINA DE CHARGES, DESENHOS E QUADRINHOS - ROSALINA DE BRITO





OFICINAS DE CHARGES, DESENHOS E HISTÓRIA EM QUADRINHOS.












THAÍS LINHARES ENSINANDO UMA TÉCNICA QUE DESENVOLVEU (CRIOU).



CONTAÇÃO E CANTAÇÃO DE HISTÓRIAS COM CÉZAR DO CAVACO.






OFICINA DE DIAGRAMAÇÃO. COM LANNA VIEIRA E MIRIAN MIRI.





quarta-feira, 22 de julho de 2015

GALERIA DOS MESTRES DA CIDADE DE DEUS.

Programa  especial em homenagem a Mestra e Yalorixá Benta Neves do Nascimento, diariamente está sendo reprisado  nos horários de 9:00 e 16 horas é só acionar o link http://www.webradiocdd.org.br/



Eles já estiveram e os outros continua sua trajetória serem mestres do desenvolvimento local. Pessoas simples que vestidos de generosidade dividem espaços e saberes com a comunidade da Cidade de Deus.
   
Ontem, 21/07/2015 faleceu a querida mestra e amiga Benta Neves do Nascimento. Conversávamos sobre tudo, sobre nossas questões de vida pessoal, sobre questões da comunidade, conversávamos... As vezes atritávamos mas, era tão rápido que depois riamos do nosso destempero.
Mulher de muita ação, de acordos, politicamente correta e envolvente, capaz de calada atingir o alvo do seu objetivo.
Voz mansa na força de um leão, coração altamente solitário e coletivo. Uma mestra, capaz de ficar emocionada com um carinho, de conversar com seus gatinhos, de escutar por horas os queixumes de um amigo.
Bendita sejas Benta querida, que a sua chegada ao solo espiritual seja repleta do amor que conseguiu distribuir na terra.

Tivemos a oportunidade de conviver intensamente nos últimos dois anos, produzir videos, fazer agrado para a amiga, deixá-la mais feliz e ser mais feliz nesta troca.










sábado, 18 de julho de 2015

GALERIA MUSICAL - 80 ANOS DO CRISTO REDENTOR. MAESTRO UESLEI BANUS REGE UM CORO COM 800 VOZES;

CORAL 80 ANOS.

80 ANOS DO CRISTO REDENTOR

CANTAMOS AVE MARIA  AS 18:00 HORAS DO DIA 12 DE OUTUBRO DE 2011.



CANTAMOS JESUS CRISTO - CORAL 80 ANOS.




ISTO AQUI O QUE É




MOMENTOS MAIS QUE ESPECIAIS




GALERIA DOS CURTAS METRAGENS. TODOS PRODUZIDOS POR SANDRAL IMA



CURTA METRAGEM


EU NÃO HAVIA PENSADO QUE A 7ª ARTE ENTRARIA EM MINHA VIDA. E ENTROU DE TRÊS FORMAS DISTINTAS E TODAS PELA GUIADAS PELAS MÃOS GENEROSAS DA PRODUTORA CULTURAL, CINEASTA E MINHA AMIGA SANDRA LIMA.


Lindos trabalhos de Sandra Lima e Tiago Medeiros!

O 1°CONVITE FOI PARA FAZER UM POEMA PARA UM FILME.

VALÉRIA - DAÍ PERGUNTEI; QUAL O TÍTULO?
SANDRA -  ALÉM DO MAR AZUL.

E EU DISSE APENAS OK! NENHUMA OUTRA INFORMAÇÃO. O POEMA COBRIU COMO UMA REDE O FINAL, SEU CONTEÚDO ERA O CONTEÚDO DO ROTEIRO.

OBSERVEM O CURTA!




ALÉM DO MAR AZUL



Caminhas nas águas como se fora em terra firme
Seus passos seguem o destino das entrelinhas
do coração.
Eu me perdi em suas células.
Não seipor qual vielas embrenhei-me, mas, o estar em você
fez-me mais forte, mais feliz e eu me achei!
Eu me alaguei em suas águas mornas da paixão e
aqueci o meu coração com o seu amor,
E no desejo de te ter aí fui eu em você,
e você em mim, nós.
Ao sermos um,mesmos sendo nós,  as nossas almas em par
seguiram por destinos além do solo,
O cheiro, o gosto, o sentir, o ser você e você estar em mim
nos fez mais que um ser a viver o amor. Somos um ser em louvor a vida.
Somos almas se reencontrando na loucura de partir.
Somos seres que se completam eu em você e você em mim.
Somos eternos amantes,
achados em uma concha além do mar.



No olhar pude ter a minha primeira experiência como atriz. Sem uma fala. Apenas com o olhar.








Este espaço está destinado ao Curta Mulheres do Cais, onde tenho a honra de compor e cantar a trilha sonora. Assim que for liberado socializo no nosso espaço.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

GALERIA MUSICAL - SARAU DO PORTO - 20- 07-2012


CANTAR - DECLAMAR



Vou parar de fazer poesia, só por agora.
Vou para cozinha fazer mironga,
juntar cheiros,
promover paladares
e agradar aos buchos dos meus filhos.
Lá a mandinga tem som do apito da pressão,
tem custo de mercados,
tem cores e valores embutidos
para o corpo ficar nutrido
e ter condições de firmar
as pernas da prole saudável
que encanta o meu lar.
Sou grata as santas horas do Tempo
que me deste três filhos queridos,
parideira por querer
pra nesta terra viver deixando apenas um legado,
filhos bem criados mesmo quando mal criados.
Deixar as querencias da vida por um momento apenas
para cuidar dos pequenos metros além dos meus
e apenas fazer poemas com métricas de arbítrios
com as benção de Deus,



Espaço encantador
Minha amiga atriz e assistente social, Cilene Regina Vieira. Sabe como ninguém declamar poemas da Sra. Obassy, sua mãe, moradora do céu.

Eu cantando em Iorubá.

Declamando poemas do livro Poesia Favela in livro, livro promovida por grandes amigos e mestres, Victor Hugo Adle, Mirna Aragão e Adriana Facina
Poeta e amigo  Severino Honorato declamando Cordel.
A cantora e amiga Lídia Quadros dando-me a honra de ler um dos meus poemas do meu 1° livro Guerreira, presente do querido e saudoso Corujão  Jornalista e amigo Murilo Brasil.


Este livro é mais que especial.




Cantando

 ÒLÒJÒ ÒNÍ MÒJÙBÁ RÉ
ÒLÚDAIYÈ MÒJÙBÁ RÉ
MÒJÙBÁ ÒMÒDÉ
MÒJÙBÁ ÀGBÀ
TI ÍLÁKÒSÉ MI SÈ LÁWUJÓ ÒWÚ
TI ÈKÉSÈ NI NSÉ LÁWUJÓ ÒWÚ
ÒLÒJÒ ÒNÍ KO GBÁ ÒRÒ MI
YÈ WÒ YÈ WÒ YÉWÒ
ÀSÉ, ÀSÉ, ÀSÉ.

Oh! Senhor do dia de hoje, sua benção
Oh! Criador da terra, sua benção
Sua benção, crianças Sua benção.
Oh! Mais velho
O que Ilakose diz é a ultima palavra
Assim como Ekese é o ultimo da família do caramujo
Oh! Senhor do dia de hoje, aceite minha palavra.
Assim seja, Assim seja, Assim seja.











GALERIA MUSICAL - CORO POLIFONIA CARIOCA - RÉQUIEM(Mozart) , ALELUIA(Ralph Manoel) E THE PROMISE OF LIVING(Aaron Coplande) - Concerto de homenagem Póstumas ao nosso Maestro Ueslei Banus.


CANTAR


Canto sem censura, pois quando canto o motivo não é somente estar alegre ou triste. 
Canto por existir, por ter preso dentro do corpo que acolhe a minha alma, os gritos dos castiços, os gemidos dos jovens que partiram da favela com um tiro nas suas vidas, as mães e os pais que abandonam os seus filhos por conta das escolhas erradas, aos filhos que desprezam os seus pais e avôs por terem sido desamados na infância, ao encarcerado no cumprimento da lei, aos que estão no leito da dor e da morte aos que estão presos na memória acorrentando o presente.


Canto para não ficar doente!

Canto para libertar os santos e demônios que habitam na minha memória, alimentados com o poder ditador ou com os entraves do viver.

Canto a música alegre,o lamento, a popular, a clássica, a de terreiro batido, em português, em alemão, em ioruba, em faveles... Canto sim, sem me preocupar com a beleza da voz e sim com a afinação de ideais com os meus ancestrais.

Por vezes o silencio do meu canto nada mais é do que o grito do meu coração. Aí canto para a minha própria solidão.

No silêncio não somente canto, componho, uso a ferramenta como a arma que registra o pouco caso com os seres desprezados da nossa nação. 













GALERIA MUSICAL - CORO POLIFONIA CARIOCA - RÉQUIEM DE MOZART - 18/04/2010




CANTAR


MÚSICA
Minha companheira, que requer compromisso

disponibilidade, sensibilidade

e muita dedicação.
Que me acorda na madrugada

segredo em meus ouvidos sua melodia

e me desperta pra acarinhar o seu dito
Bendita sejas em minha vida!

Preenchendo cada espaço com sua beleza

Pura como a natureza.
minha enquanto guardada
de todos quando revelada.

Sou tua na proporção que me invade,

somos uma quando juntamos o espelho a imagem.

Me encontro na sua marcação.

Persistente. Mel em locomoção

música nascente divina do meu coração.

 

ENSAIO NO CONSERVATÓRIO.









ENSAIO NO CONSERVATÓRIO



Nosso Coro Polifonia Carioca no ano de 2010 - Sala Cecília Meireles






ENSAIO  GERAL SALA CECÍLIA MEIRELES



APRESENTAÇÃO NA SALA CECÍLIA MEIRELES.









Alguns vídeos deste Concerto se desejarem conhecer todo a Obra o link é:
https://www.youtube.com/watch?v=3ITTLUp8Lw4&index=2&list=PL76794DC0E2E4283D